Benvindo a Pirenópolis
Benvindo a Pirenópolis

O Teatro de Pirenópolis

Monumento histórico e arquitetônico de Pirenópolis. o Teatro Sebastião Pompeu de Pina, também conhecido com simplesmente Teatro de Pirenópolis, é uma construção do século XIX e faz parte do acervo patrimonial de perímetro tombado.

Histórico

Construído por iniciativa do lavrador Sebastião Pompeu de Pina, que contou com a ajuda da comunidade, através alimentos, roupas e animais doados para serem leiloados, e da esposa, que vendeu biscoitos para arrecadar dinheiro para sua construção. Demorou doze anos para ser erguido, sendo fundado em 1999.

Seu estilo construtivo é híbrido, luso-brasileiro, com estrutura de madeira aparente e paredes de adobe. Por décadas foi intensamente utilizado, para apresentações de óperas, danças e peças teatrais. Naquele tempo, início do século XX, as peças, principalmente as operetas, duravam várias horas com vários atos, entre um ato e outro, enquanto se preparava o palco, as famílias se entretiam trocando quitandas, cafés, lanches e bebidas. Crianças dormiam em colchões improvisados e músicos afinavam seus instrumentos.

A partir de 1945, o Teatro de Pirenópolis passou a funcionar como cinema, depois como serraria, fábrica de móveis e casa comercial. Chegando a virar bar, garagem e armarinho.

Em 1979, a Fundação Cultural do Estado de Goiás comprou o prédio, que o restaurou. Tombado como patrimônio em 1988, somente em 1990 é que voltou a funcionar como teatro, sendo interditado em 1997 por perigo de desabamento, quando iniciou-se um amplo trabalho de restauração e reforma.

A restauração

A restauração, concluída em 1999, comemorando o centenário de sua fundação, conservou a fachada, a estrutura e a volumetria original, introduzindo vários recursos técnicos que adaptaram e modernizaram sua estrutura interna, dando melhores condições técnicas aos atores e maior conforto à platéia. As poltronas da platéia foram acolchoadas, assim como sua declividade aumentada. Foram instalados sistemas de isolamento acústico, de exaustão e ventilação; equipamentos para acústica, como rebatedores e mudança no alinhamento de paredes. E foram instalados equipamentos de som e luz, além de camarins, oficinas e depósitos sob o palco, entre outros.

Em 2003, foi instalado um ar condicionado, uma vez que os sistemas de ventilação e exaustão não funcionaram a contento.

O espaço

Hoje, o teatro conta com 160 poltronas na platéia, mas, com o uso do mezanino, há a possibilidade de acomodar até 230 pessoas; Palco de 7 x 7 m (49 m2) e 4,5 de altura (vão). Ciclorama no palco e camarim subterrâneo comum; Ar condicionado; Foyer; sistema de som e luz.

Para agendar o espaço para eventos culturais telefone para (62) 3331 2029.

O Teatro segundo o CTAC

A história do Teatro de Pirenópolis começa com dois cidadãos chamados Sebastião. O primeiro, Sebastião José de Siqueira, era dono de um terreno. O segundo, Sebastião Pompeu de Pina, queria construir um teatro. Pediu - e recebeu - ajuda dos conterrâneos, que colaboraram oferecendo donativos - alimentos, roupas, galinhas, bezerros - leiloados em praça pública.

De leilão em leilão, o Teatro levou doze anos - de 1889 a 1901 - para ser construído.Ao ser inaugurado, os espectadores, superlotando o salão, assitiram à encenação por atores pirenopolinos, da peça "O Judeu", de Antônio Manuel.

A este sucesso, seguiram-se, logo no início do século, a apresentação de mais de quarenta peças, marcando a fase áurea do Teatro.

Em 1916, a Intendência Municipal, que também havia contribuído com donativos para os leilões, julgou-se no direito de anexar o Teatro ao patrimônio municipal, movendo uma ação judicial contra seu proprietário.

Se a justiça não tivesse reconhecido os direitos de Sebastião Pompeu de Pina, seu idealizador e construtor, o Teatro de Pirenópolis teria, cedo ainda, se transformado num patrimônio público.

Durante várias décadas, o Teatro desempenhou, para a população de Pirenópolis, o papel de uma segunda casa. Assim, quando se dispunham a assistir a um espetáculo, as famílias, além do ingresso, levavam café, doces, biscoitos, água, vinho, chá. Nos intervalos, cada família em seu camarote, saboreava o lanche calmamente, já que a montagem dos cenários, sempre demorada, era realizada naquele mesmo instante, com previsíveis imprevistos.

As peças costumavam levar tanto tempo, que as famílias, além de ingressos e lanches, também levavam colchões para os filhos menores. Não foram poucas as vezes em que um camarote superior promovia uma "urinada" sobre o inferior.

Fazem parte da história do Teatro de Pirenópolis algumas comédias - "Trinta Botões" , "Juiz de Paz da Roça" - e alguns dramalhões, semelhantes a operetas,em português arcaico: "Demofontes" , "Aspasia" , "Ezio em Roma" , "Artaxerxes" , "Graça de Deus" e "Alecrim e Mangerona". A partir de 1945, o Teatro de Pirenópolis passou a funcionar como cinema, depois como serraria, fábrica de móveis e casa comercial.

Os camarotes foram transformados em residências dos comerciantes e o salão em depósito de mercadorias. O local chegou a ser ocupado por um bar; uma garagem e um armarinho, os quais, apesar de mascararem sua função, garantiram, de certo modo, a estabilidade e a conservação do Teatro.

Em 1979, atenta à sua importância para a comunidade local, a Fundação Cultural do Estado de Goiás comprou o prédio, até então em mãos de particulares. Em janeiro daquele ano, a Sociedade Grupo Meia Ponte de Pesquisa e Avaliação Sócio-Cultural havia proposta a compra e restauração do imóvel, possibilitando a criação de um espaço para os grupos teatrais de Pirenópolis.

A reabertura do Teatro, de imensa importância, reativa um dos mais antigos espaços culturais da cidade que, durante o ciclo do ouro em Goiás, ocupou lugar de destaque nas atividades artísticas de todo país.

Texto extraído de http://www.ctac.gov.br/tdb/portugues/teatro_pirenopolis2.asp - Centro Técnico de Artes Cênicas - CTAC.