Benvindo a Pirenópolis
Benvindo a Pirenópolis

Artigos e Notícias

Voltar para Notícias

28/05/2010

Proibido Máscaras em Mascarados

A Festa do Divino Espírito Santo de Pirenópolis foi marcada neste ano de 2010 por ter sido registrada como Patrimônio Imaterial Nacional. Título pra lá de merecedor. É a segunda festa popular brasileira a ser considerada patrimônio e, sem dúvida, a maior e mais intensa Festa do Divino do Brasil.

Proibido Máscaras em Mascarados

Porém, algumas coisinhas fogem do contexto correto, por exemplo: os símbolos utilizados. Os símbolos da Festa do Divino de Pirenópolis são a pomba, a coroa e o cetro, expostos nas bandeiras e altares. A Cavalhada é considerada o lado profano da festa. Na verdade, só mesmo em Pirenópolis é que se criou uma relação das Cavalhadas com a Festa. Em muitas outras localidades brasileiras, e mesmo estrangeiras, as cavalhadas são corridas em outras épocas, juntos com outras festas. Daí que a associação das figuras das cavalhadas (cavaleiros e mascarados) não é a representação mais fiel da festa. Mas é a mais bonita e impressionante, o profano atrai mais que o sagrado.

Dentro desta titulação especial dada a nossa festa, uma salvaguarda do IPHAN me chamou atenção. Segundo estes, preocupados em controlar os patrimônios nacionais, devemos ter cuidado com o turismo para que não haja a descaracterização e transformações da cultura popular para objetivos mercantis. Ora, ora... o turismo é o que menos afeta esta festa. Muito pelo contrário, o turista a valoriza e prefere ver a festa nos moldes originais. Para quem lida com o turismo sabe que isso é uma grande inverdade. Acho que o IPHAN deveria reformar seu corpo técnico e substituir arquitetos céticos por sociólogos e antropólogos.

Devemos, sim, nos preocupar com as transformações, mas não apenas com as provenientes do turismo, que, apesar de existirem, são pequenas. O que mais me preocupa são as interferências das autoridades do governo, como juízes, prefeitos e outros políticos. Para quem foi ao campo este ano viu uma poluição sem fim. Meu Deus! Que tolo será aquele que espalha seu nome por todos os lugares. Que coisa feia, senhor.

Mas a lista é extensa: A começar pelo próprio campo, o tal cavalhódromo. É óbvio que quem o projetou não entendia nada de cavalhadas, seus problemas são inúmeros, além de ter destruídos vários elementos da festa, principalmente aqueles de interação popular. Esqueceram que esta é uma festa popular. Vai ver que é isso: Eles querem possuir, controlar e dominar a festa. É a usura do poder. E os mascarados então, cadê os espaços deles. Esqueceram também que por debaixo do mascarado existe um cavalo.

Mas o que me deixou mais motivado a escrever estas linhas foi uma decisão judicial publicada dias antes da festa: O juiz, coitado, quer numerar os mascarados de Pirenópolis; quer identificá-los e obrigá-los a andar sem máscaras. Quá, quá, quá! Quero só ver o que vai rolar o ano que vem. Sem sentido e sem noção esse juiz. O que é o mascarado senão uma figura sem identificação? É esse o seu papel na festa. Será que o tal juiz acha que os mascarados são apenas bibelôs para enfeitar? Será que esse tal juiz não deveria entender um pouco mais da festa antes de querer ficar dando pitaco? O que significa as cavalhadas? não é o eterno drama humano da disputa pelo poder tendo o povo como mero coadjuvante das ambições dos reis? Os mascarados representam o povo. O povo sofrido, feio e bonito ao mesmo tempo, à mercê dos poderes e andando às margens deste. Eles representam a figura incógnita, anárquica, mística. O caos no cosmo e o cosmo no caos.

Por isso eu digo: Salvaguardemos a festa das autoridades sem noção, que não entendem nada e nem participam da festa. Salvaguardemos também dos técnicos, arquitetos e engenheiros, que veem a festa apenas como realização de um projeto, porque são pagos para isso e não porque gostam da festa.

Mas, apesar de tudo, tudo isso também faz parte da festa: Os mascarados sendo perseguidos pelas autoridades por crimes puramente políticos. Eles incomodam porque não se submetem ao poder e a ordem careta dos reis. Ficando assim, como está, vamos ver se os mascarados de Pirenópolis são mesmo mascarados.

Matéria publicada em 28/05/2010 às 12h05min.