Benvindo a Pirenópolis
Benvindo a Pirenópolis

Artigos e Notícias

Voltar para Notícias

17/12/2009

Mirim: emblema de Pirenópolis

João Vieira*

Mirim: emblema de Pirenópolis

Ele tem suporte referencial forte: veio de Ouro Preto, Minas Gerais. Tem na pintura sua atividade-matriz; e tem no adro da Matriz de Pirenópolis o seu “lócus” preferencial de trabalho e vivência pública. É jovem, tendendo à madurez. Preto. Retinto – como os há em profusão onde houve lavra e/ou lavoura, por estes brasis da colonização histórica. Assim, Ouro Preto, Diamantina, Sabará, São João Del-Rey e Tiradentes, em Minas. Gerais. Cuiabá , Vila Bela e o sempre esquecido Diamantino – sim, lá também tem – no Estado do Mato Grosso. Igualmente em toda Bahia colonial e no Maranhão velho, campo de vigência do mandonismo de Ribamar Sarney.

Ademais, afro-descendentes brasílicos são encontradiços onde quer que exista pauta de produção em território nacional pátrio; ou área de prevalência das artes, como no Rio de Janeiro, São Salvador-BA ou Pirenópolis, entre outros lugares. Conclua-se: ele tem origem, identidade e, pra sorte do Brasil, qualidade! Queremos insinuar, sim, ele daria filme. Afinal, é mais um brasileiro a se prestar à excepcionalidade; a ter trajetória de vida não trivial...

Mirim pintor e capoeirista, além de iniciado nas artes da percussão, recreação e, de quebra, restauração, teve o reconhecimento de cidadania honorária concedida pela Câmara Municipal de Pirenópolis. Quisera eu fazer-me presente, ali naquele ato, para aplaudir em nome de toda comunidade ouropretana que, de resto, considero minha. Nostalgicamente!

Mirim consagra o seu tempo livre adestrando crianças, adolescentes e alguns marmanjos – retardatários – na arte (marcial) da Capoeira e técnica apurada da percussão. Enquanto afiliado assumido, da tradição expressional-vivencial (matricial) de raiz afro – desse nosso rico e fortificado mosáico étnico. Brasileiro.

Mirim pintor de aquarelas; paisagens barrocas; pedagogicamente barrocas, muitas vezes! (Ele recusa retratar a visão da banda oeste da Praça da Matriz de PIRI, pela desfiguração sofrida com “o modernoso” das construções...).

É estética, é cultura, é vida. É turismo. Mas, o tal do “desenvolvimento”... Que um dia desenvolveu (inapelavelmente), a cidade-irmã Luziânia, em Goiás – matando-a para a história. Lançando-a na vala comum da modernidade. (Modernidade?). Modernosidade – parece-nos mais ajustado! Embora tenha lá um baluarte de espiritualidade cívica e cultural, qual seja, a Academia de Letras e Artes do Planalto - ALAP! E que evoca, conduz a seus santos cívicos Gelmires Reis e Dilermando Meireles. Como se vê, nunca se perde tudo, tudo! Cabe, sim, ficar muito atento. Atenta Pirenópolis – arremate-se.

Não resisto à vontade de descrição de uma performance, emblemática, do pintor Mirim nas ocasiões de pico do fluxo turístico desse mui barroco burgo. Dá-se à noite em tempos de clima perfeito, já que bom-clima, tropical, é permanente, porquanto serrano, com tudo de exuberante que a tropicalidade de altura oferece; e o terráqueo planaltense tem direito. Assim, sol, claridade, frescor. Calor, chuvas torrenciais ou apenas uma barrufada passageira de umidificação – eis a ambiência costumeira da cidade no seu normal.

Em ocasiões especiais de turismo e clima, dizíamos, na noite primorosa da cidade, e sua Rua do Lazer, discretamente iluminada, ou se preferir – de recatada penumbra – desafogada de veículos, excetuando-se os carrinhos de bebês (viva a família; viva a juventude), Mirim de cavalete armado, pincel-em-riste, sob luzinha-mirim, azulada, em razão da claridade refletida em seu rosto negro, pinta paisagens que, às vezes inconclusas, não dá pra quem quer!

Esse é Pirenópolis do Mirim / o Mirim de Pirenópolis, o “Jair Afonso Ignácio” de Ouro Preto – maior restaurador e pintor modernista, brasileiro, daquela fase de lua nova de nossas vidas. O Jair-gênio autodidata, guia, em fluente inglês, de Roberto Oppenheimer (ele mesmo, o pai-da-bomba), então em visita ao Brasil. Uma só diferença: Mirim dos Santos ainda não domina inglês... Tenho dito!

* Sociólogo e professor universitário aposentado, João Vieira foi diretor do Museu Rondon, da Universidade Federal do Mato Grosso, e atualmente mora em Pirenópolis. E-mail: joaovieira01@pop.com.

Matéria publicada em 17/12/2009 às 15h31min.